Skoobs

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Soterram também a informação, o debate...

Acabei de ler um artigo muito interessante e que para alguns desavisados e apressadinhos nervosos pseudo-defensores do ser humano, podem acabar achando que o texto critica a cobertura da mídia ao tratar com tanta tristeza os mortos, feridos e desabrigados na catástrofe que se tornou as enchentes no sul do país.

Mas penso e corroboro com o seguinte, insistindo na tecla, há mais desinformação do que jornalismo real nos meios de comunicação. O que só se vê e lê é comoção atrás de comoção, quando não leviandades e verborragias críticas em cima de governos e governantes. Cadê o debate sério? A crítica ao mercado e as elites especuladoras? Podem dizer que sou ingênuo, mas a verdade é que sei sim o quanto isso é pedir demais para os meios de comunicação. Só que no fundo não estou pedindo aos meios, mas sim à sociedade, a todos nós. Nós que temos que cobrar e nos cobrar.

Claro que devemos nos comover, se envolver. Claro que temos problemas estruturais, políticos e, agora, de emergência para resolvermos. No entanto, não vejo muito, além ou após a cobertura solidária aos desabrigados uma matéria em que se discuta porque situações como essa não param de acontecer em nosso país.

Alguns trechos do artigo que nos faz pensar um pouco além da cobertura oficial:

"Impossível não nos ficar a impressão que autoridades e mídia, e talvez uma boa parte da sociedade, já assimilaram como fatos naturais do destino brasileiro as horríveis mortes por soterramento e enchentes que anualmente fazem dezenas de vítimas nessas épocas de chuvas mais intensas. Diluem-se assim comodamente nesse cenário de pretenso destino compulsório as responsabilidades públicas e privadas na verdade responsáveis por tantas vidas violentamente ceifadas."

"A questão essencial é que estão sendo ocupadas pela urbanização, à vista e com o beneplácito oficial, áreas que por suas condições geológicas jamais poderiam ser utilizadas para tal fim. Pior, estão sendo ocupadas utilizando-se de expedientes técnicos (desmatamento, cortes, aterros, disposição viária...) totalmente contra-indicados para tais situações."

"Para uma mais acurada compreensão do problema e para o correto equacionamento de sua solução, é indispensável considerar separadamente dois aspectos fundamentais, mas bem diversos, dessa questão; o fator técnico e o fator político-social-econômico."

Segue alguns outros exemplos de enchentes que enfrentamos esse ano aqui no Brasil:
Novamente, nossa amiga Globo nos fornece o material.








O artigo é do geólogo Álvaro Rodrigues dos Santos e foi publicado na Agência Carta Maior.

Um comentário:

Luma disse...

Confesso que já pensei também sobre o assunto tratado por você no seu post(de maneira menos rebuscada, confesso) mas infelizmente, a única conclusão a qual cheguei foi: tragédia vende e mais e ponto final. Até o povo párar de se fazer de coitadinho e passar a cobrar atitudes sérias... aí já são outros quinhentos!
Muito legal o blog!
Beijos,
Luma